Pagamento de propinas a Temer começou em 2010, diz delação

19 de maio de 2017, 11:04

Os documentos da delação premiada do dono da JBS, Joesley Batista, trazem revelações cada vez mais sérias contra o presidente Michel Temer. De acordo com o anexo 9 do documento, o empresário pagou propinas a pedido de Temer desde 2010.

Joesley relatou que pagou R$ 3 milhões em propinas, sendo R$ 1 milhão por meio de doações oficiais e os outros R$ 2 milhões para a empresa Pública Comunicações. Em agosto e setembro do mesmo ano, o empresário afirma que também pagou a quantia de R$ 240 mil em propinas para a empresa Ilha Produções.

O dono da JBS revelou, ainda, que Temer solicitou o pagamento de “mensalinho” no valor de R$ 100 mil para o ex-ministro Wagner Rossi e R$ 20 mil para Milton Hortolan. Os pagamentos foram mantidos por cerca de um ano. Em 2012, de acordo com a delação, Joesley voltou a pagar propinas a pedido do presidente. Ele teria desembolsado R$ 3 milhões para o candidato à prefeitura de São Paulo, Gabriel Chalita.

Segundo Joesley, Temer operava o esquema com Wagner Rossi, Geddel Vieira Lima, Moreira Franco e Eduardo Cunha. No ano passado, pouco antes de assumir a presidência em função do impeachment de Dilma, Temer pediu a quantia de R$ 300 mil para o pagamento de despesas com marketing político.

Veja o documento:

 

uploads2F1495168409386-anexo9.1