sábado, 20 de julho de 2019

Texto que compara bairros de Salvador a países é, na verdade, reprodução de conteúdo do Rio de Janeiro

Um texto que viralizou nas redes sociais nos últimos dias compara bairros de Salvador a países e justifica essas comparações, a partir de características em comum. O conteúdo, claro, está fazendo sucesso entre os soteropolitanos que se identificam com as comparações.

O conteúdo partiu de Josevana Bitencourt, que se surpreendeu ao ver o texto circulando pelos quatro cantos de Salvador. Ela disse em entrevista ao Correio* que se “inspirou” em um texto que faz a mesma comparação com bairros do Rio de Janeiro.

Josevana cita, inclusive, a referência no início da publicação ao texto do Rio, e afirmou ao jornal que pegou “as ideias” de lá. “Na verdade, é uma adaptação minha. Não é 100% meu. É 50%…”.

Mas “adaptação” não seria a palavra mais adequada. O texto é basicamente o mesmo que pode ser visto nesta página (Bonsucesso da Depressão), publicado em 2016, e apenas troca os bairros do Rio pelos bairros de Salvador, e não aproveita todo o conteúdo original, diminuindo o número de localidades. Há também algumas trocas de palavras e estrutura das frases, o que não torna o texto por si só uma “adaptação”.

“Algumas coisas eram muito próximas de Salvador, então ficou bastante parecida a descrição. Alguns eu criei e outros eu tirei porque não tinha a ver”, explicou Josevana ao Correio*.

Abaixo, a “adaptação” soteropolitana.

E se os bairros de Salvador fossem países? (Adaptação: Diário de Salvador, de “E se os bairros do Rio fossem países” Autor desconhecido – Facebook)

Pituba => Alemanha

Além de ser o grande centro empresarial da região, um de seus pontos fortes são seus bares, em que se bebem rios de cerveja.

Canela => Bélgica

É cercado por vizinhos ricos e poderosos mas ninguém dá muita importância.

Graça => França

Berço da aristocracia baiana, vangloria-se de seu passado e não esconde jamais o ar de superioridade.

Corredor da Vitória => Grécia

Graça em escala menor, com a vista melhorada.

Barra => Itália

Caótica, doce, movimentada e barulhenta mas todo mundo continua querendo conhecer.

Ondina => Turquia

É apenas um caminho de um lado para o outro do mundo. Ninguém consegue entender nada por causa de tanta indefinição.

Amaralina, Costa Azul e Itaigara => Polônia, República Tcheca e Luxemburgo

Gravitam e tentam se beneficiar da fama e benefícios do país vizinho, a Alemanha.

Rio Vermelho => Espanha e Holanda

Não cabe um só país pro internacional Red River. Tradicional e moderno. Favorito da galera miçangueira que curte ervas, cachaça, clima de festa nas ruas, noitada, beijo gay, onde tudo é liberado!

Alphaville => Estados Unidos

Dinheiro e poder. Idolatrado pelos novos ricos. Cafona, sem identidade, longe de tudo, carro é fundamental. Seu “Alphaville way of life” faz seus moradores crerem que vivem no melhor lugar do mundo, mas vivem na Av. Paralela mesmo.

Le Parc => Canadá

É rico, porém ninguém se importa. Vive na órbita do vizinho mais famoso.

Imbuí => Irlanda

Pensa que está na orla e quer se comparar à Armação, assim como a Irlanda que acha que faz parte do Reino Unido e quer se comparar à Inglaterra.

Campo Grande => Rússia

Não possui mais a mesma nobreza de outrora, mas ainda se acha uma potência. Transição entre zona pobre e zona rica.

Brotas => Brasil

Querido por todos e estratificado, mistura gente mais humilde, classe média e alta. Quer ser tudo e ao mesmo tempo não é nada. Ostenta a alegria de ser o coração da cidade.

Nazaré => Argentina

Gostaria de ser Brotas. Mas não é.

Baixa dos Sapateiros => Índia

Caótica, superlotada, vaca na rua, mas dona de um valor cultural inestimável.

Centro Histórico => México

Importante centro regional, com tradição secular e onde todos querem tirar alguma vantagem.

Av. Sete => Paraguai

As pessoas vão lá só para comprar coisas baratas e falsificadas mesmo.

Barris => Portugal

Muitas glórias no passado e ainda conserva qualidade de vida e um jeito simpático e acolhedor.

São Joaquim => Iraque

Já foi terra de príncipes e princesas, hoje parece Bagdá.

Cabula => África do Sul

Orgulhosa de ser a “nobre” no meio de sua sofrida região.

Cajazeiras => China

Distante, gigante e super populosa, sonha em ser rica como os EUA (Alphaville), mas ainda tem um pé no terceiro mundo.

Caminho das Árvores => Chile

A cara da riqueza, mas é difícil achar alguém que escolha morar lá.

Itapuã => As duas Coreias

Uma parte é boa e a outra você corre risco só de chegar perto.

Stella Mares => Noruega

Todo mundo fala bem mas fica tão longe que ninguém nunca vai ou sabe onde fica.

São Lázaro => Egito

Dois verdadeiros mistérios da humanidade.

Garcia => Marrocos

Situado na ponta da zona rica e da zona pobre, vive em eterna crise de identidade sobre quem realmente é. Tem tradição mas todo mundo fica com um pé atrás.

Santo Antonio => Cuba

Pitoresco, cheio de prédios abandonados e em ruínas, o tempo parece parado com pessoas sentadas nas calçadas e olhando o (raro) movimento pelas janelas. Uns querem que permaneça assim, outros, que alguma força capitalista transcendental mude a situação.

Pelourinho => Jamaica

Um pedaço isolado e sui generis do mundo e que todo mundo curte a vibe.

Federação => Panamá

Apenas uma passagem e ligação para outros países.

Piatã, Pituaçu, Patamares, Placaford => Tigres Asiáticos

Confusos e muito parecidos, ninguém sabe quem é quem ou onde começa ou termina. Ricos e distantes, possuem diversos atrativos mas acabam sendo preteridos aos tradicionais países europeus.

Liberdade => Japão

Detentores e orgulhosos de uma cultura forte e por viverem num mundo muito próprio.

 

06 de fevereiro de 2019, 12:49

Compartilhe: