terça-feira, 14 de julho de 2020

Rapidinhas: Recado de um certo Moro ao capitão

Foto: Divulgação

Da Redação

Davi Lemos

Tomás Moro (1478 – 1535) foi o chanceler do Rei Henrique VIII e, por defender uma verdade que era incômoda ao monarca inglês, acabou perdendo a cabeça, literalmente. Podemos dizer que Moro é um exemplo de vivência integral de uma passagem bíblica muito utilizada atualmente: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8, 32). O jurista e magistrado foi canonizado pela Igreja Católica e proclamado patrono dos políticos e governantes pelo papa São João Paulo II, em 2000. Ele é celebrado em 22 de junho.

O crime de Moro

O crime de Tomás foi seguir a consciência antes de seguir ou bajular o rei. Henrique VIII queria um novo casamento e decretação do divórcio com Catarina de Aragão, a fim de casar-se com Ana Bolena: o rei queria um herdeiro homem para o trono. A Igreja recusou e Tomás Moro pediu demissão do cargo de chanceler. Como bom católico, Moro defendia a indissolubilidade do matrimônio: foi considerado traidor pelo rei e condenado à morte. A história de Moro é como a de São João Batista, celebrado em 24 de junho, e que também foi decapitado por defender o mesmo princípio 1.500 anos antes.

O Evangelho e o bolsonarismo

O santo celebrado no dia 22 de junho disse, antes de morrer, que morria como bom servidor do rei, mas que, antes, servia a Deus que orientava a consciência dele. Antes de ser morto, viveu a pobreza após deixar o cargo de chanceler. O “Conhecereis a verdade” é um princípio que realmente liberta os cristãos inclusive do “vale tudo” pelo poder.

Tentar impedir as investigações sobre as supostas rachadinhas do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro indica que o bolsonarismo continua sem entender que a libertação implicada pela verdade não é a da prisão, aceita por Moro, mas das amarras dos “poderes” deste tempo. Tomás permaneceu livre na Torre de Londres; já Bolsonaro não se sente liberto no cercadinho que fez na saída o Alvorada.

22 de junho de 2020, 19:58

Compartilhe: