segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Rapidinhas: Guerra de memes e cards dificultam união da Aliança pelo Brasil na Bahia

Foto: Reprodução

Da Redação

O Aliança pelo Brasil, movimento que busca criar um novo partido para abrigar o presidente Jair Bolsonaro após a saída dele do PSL, parece não estar tão harmonioso na Bahia. O que era somente um guerra de memes e cards nas redes sociais, geralmente de forma anônima, ganhou contorno de embate às claras após uma postagem em que o vereador Alexandre Aleluia (DEM) ataca a deputada estadual Talita Oliveira (PSL). Aleluia apontou que Talita e o Comandante Rangel (ex-candidato ao Senado pelo PSL) tentaram sabotar evento do Aliança que foi realizado em Barreiras, no sábado (1º).

Clique na imagem para ampliá-la. (Foto: Reprodução)

Bastidores

Nos bastidores e grupos que reúne militantes bolsonaristas, há uma constante averiguação sobre a “pureza” do direitismo de quem quer embarcar no Aliança. Aleluia, por exemplo, é associado ao Centrão – ala da política nacional considerada adesista – e fotos e vídeos de Talita com os Vieira Lima, do MDB, reapareceram nas redes. Em postagem desta segunda-feira (4), a Direita Independente Bahia (Dib) lembrou que Talita é cria de Lúcio Vieira Lima. A legenda da foto: “Preparem as pipocas”.

Desunião

O “fogo amigo” constante marca o bolsonarismo desde quando todos os aliados do presidente estavam unidos e contentes no PSL. “Denúncias” de carreirismo, oportunismo, de contaminação ideológica à esquerda sempre foram uma constante. Fonte ouvida por Toda Bahia analisa que, se o cenário permanecer, a base bolsonarista na Bahia será cada vez mais dividida e terá dificuldades pare eleger representantes tanto em 2020 quanto em 2022.

04 de fevereiro de 2020, 17:11

Compartilhe: