sexta-feira, 16 de abril de 2021

Rapidinhas: Cardeal Sérgio é nomeado membro da Congregação para os Bispos no Vaticano

Foto: Divulgação

Davi Lemos

O cardeal-arcebispo de Salvador, Dom Sérgio da Rocha, foi nomeado pelo papa Francisco como membro da Congregação para os Bispos, considerada a mais importante da estrutura de governo do Vaticano. É um sinal de prestígio do cardeal da Sé Soteropolitana que foi vista somente durante o governo de Dom Lucas Moreira Neves, cardeal-arcebispo de Salvador entre 1987 e 1998, que chegou a ser prefeito da prestigiada congregação – Dom Lucas era um dos homens fortes durante o pontificado de São João Paulo II.

Funções

A Congregação para os bispos é a responsável pela consultoria ao papa para a criação de dioceses, nomeação de bispos; organizam também as visitas ad Limina (quando os prelados de distintas regiões do mundo visitam o papa). “A nomeação representa um gesto de bondade do Papa em relação a mim e, sobretudo, de grande estima e consideração pelo episcopado brasileiro e pela Igreja no Brasil. Não é uma honraria, mas sim um serviço muito exigente que sou chamado a prestar à Igreja, a pedido do Papa, continuando minha missão de Arcebispo de Salvador”, disse Dom Sérgio, segundo comunicado da Arquidiocese de Salvador.

Por falar em Roma …

Por falar em Vaticano, tem um outro Roma, que é ministro da Cidadania, que tem demonstrado estar muito próximo e com muito prestígio junto ao clã Bolsonaro. Na tarde desta quinta-feira (4), João Roma postou foto ao lado da primeira-dama Michele Bolsonaro em uma ação de doação voluntária de sangue, em Brasília. Discreto, mas laborioso nos bastidores, Roma ganhou a posição sonhada por muitos bolsonaristas “puro sangue” na Bahia. E, dizem os amigos de Roma, logo mais em 2022 faz as pazes com ACM Neto. Ou seja, tudo estará consumado. Quer dizer, dominado.

Não representa

O vereador de Salvador Luiz Carlos Suíca (PT) não gostou nada da formação do Conselho Nacional da Promoção da Igualdade Racial (CNPIR). Para o edil, é “vergonhoso” o que vem sendo realizado por Bolsonaro. “O governo do presidente Jair Bolsonaro segue desagradando movimentos sociais e sindicais e diferentes setores da sociedade com decisões equivocadas e sem representação”, bradou Suíca. Ele frisa que, das 19 vagas da sociedade civil, somente sete foram preenchidas e uma delas ficou com uma associação ligada ao movimento negro – a Rede Mulheres Negras do Paraná – e seis representam judeus, ciganos e indígenas.

04 de março de 2021, 19:57

Compartilhe: