segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

RAPIDINHAS: A dor de cabeça filosófica do Capitão de Inema

Foto: Reprodução/YouTube

Davi Lemos

Enquanto passa a virada do ano em Inema, em Salvador, com passagens muito bem registradas por Paripe e pelo Farol da Barra, o presidente Jair Bolsonaro parece ganhar a desaprovação de um dos principais apoiadores de seu governo, o escritor e filósofo Olavo de Carvalho. Residente nos EUA, Carvalho critica o pragmatismo: “‘Pragmatismo’ é o estado de castração ideológica que a esquerda impõe à direita, e ao qual a direita se submete por uma covardia tanto mais abjeta quanto mais se camufla de alta sabedoria”, escreveu na manhã desta segunda-feira (30), no Facebook.

Diferenciação

Na mesma sequência de escritos, Olavo de Carvalho diferenciou o “pragmatismo” nos âmbitos nacional e internacional. No plano externo, diz ser “admissível apenas como acomodação temporária ao inevitável, e deveria ser reconhecida como concessão humilhante, não proclamada orgulhosamente como grande política”. Mas concluiu: “No terreno interno, é covardia e traição, nada mais”.

Baixas nas redes

O clã Bolsonaro vem sofrendo constantes ataques nas redes sociais desde que o presidente sancionou, no período de Natal, a emenda ao Pacote Anticrime que institui a figura do juiz de garantias. Agora as críticas públicas do escritor cujos livros serviram de decoração para “lives” do presidente. O filósofo entrará no rol dos traidores? O filho do presidente, Eduardo, continuará dizendo que “Olavo tem razão”? Fica mais essa dor de cabeça para o clã.

30 de dezembro de 2019, 17:33

Compartilhe: