segunda-feira, 13 de julho de 2020

Pesquisadores do Brasil e da Inglaterra sequenciam genoma do coronavírus identificado em SP

Foto: Divulgação/Josúé Damacena/IO

Da Redação

Pesquisadores do Brasil e da Universidade de Oxford conseguiram montar a sequência do genoma do vírus 2019 n-CoV do primeiro caso confirmado da doença em São Paulo. O trabalho, geralmente feito em 15 dias pelos cientistas, foi realizado em apenas dois dias, de acordo com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo (Fapesp).

A primeira análise preliminar feita pelos cientistas mostra que o genoma do coronavírus diagnosticado no Brasil difere em três pontos no código genético do vírus encontrado inicialmente em Wuhan, cidade chinesa onde a doença surgiu. De acordo com uma das autoras do estudo, Ester Cerdeira Sabino, quanto mais desvendarmos o RNA do vírus, mais podemos rastrear o caminho dele.

“Como o vírus do Brasil foi detectado da Itália, e vimos que é diferente do encontrado na Alemanha, com duas mutações similares apenas, já dá para ver que mais de uma pessoa passou a transmitir a doença na Europa”, explicou Sabino.

Outras pesquisas

Além disso, é possível fazer a associação das mudanças no RNA com alguma característica da epidemia. Sabino dá o exemplo do Irã, que tem apresentado uma taxa de mortalidade maior.

A análise genética do RNA de um vírus também é fundamental para o desenvolvimento de vacinas e para a criação de testes diagnósticos. Uma análise preliminar da sequência já está disponível online para consulta de outros pesquisadores do mundo.

29 de fevereiro de 2020, 07:01

Compartilhe: