segunda-feira, 20 de maio de 2019

O Leão, as laranjas e o leilão na passagem do ministro do Turismo

Na chegada do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, à Base Aérea de Salvador, chamou a atenção a desenvoltura do vice-governador João Leão (PP) na recepção ao homem de Bolsonaro. Inicialmente, o convite para conhecer o Carnaval partiu da Prefeitura de Salvador, representada pelo secretário municipal da Cultura Cláudio Tinoco. Mas a passagem de Leão foi rápida, embora marcante, demonstrando que ele foi o escalado no time de Rui para amansar as relações entre o petista e o capitão Bolsonaro. Logo em seguida, Álvaro Antônio foi ao Centro de Operações e Inteligência da SSP.

Exemplo

A passagem do ministro pela SSP, então ciceroneado pelo secretário da Segurança Pública Maurício Barbosa, rendeu um elogio do ministro de Bolsonaro ao Carnaval de Salvador: “Salvador está preparada para receber qualquer cidadão do Brasil e turistas no Carnaval”, disse o ministro segundo um dos presentes. Álvaro Antônio disse ainda que quer um representante da SSP para levar a expertise dos baianos para realizar o Carnaval; o ministro ainda ressaltou que a imprensa exagera na retratação da violência – o que ocorreria não somente em Salvador, mas no Rio de Janeiro que, na avaliação do ministro, é um lugar tranquilo.

Molho de laranja

No Yatch Club, quando o Trade Turístico baiano reuniu-se com o ministro do Turismo, dois dos empresários presentes brincaram: “puseram um prato com molho feito com laranja”. Álvaro Antônio está às voltas com as denúncias de que teria candidatos laranjas em Minas Gerais – ele foi eleito deputado federal pelo PSL no estado.

Quem deu mais?

Nos discursos realizados ao Trade Turístico pelos secretários Claudio Tinoco e Fausto Franco (novo secretário do Turismo de Rui), a disputa foi para dizer quem faz mais pelo setor no estado. Para quem estava presente, pareceu um leilão às avessas: no lugar do quem dá mais, a pergunta que parecia ser feita era “quem deu mais” ao Carnaval? Os empresários, por sua vez, querem ver uma melhora do setor após a crise que fechou hotéis tradicionais como o Othon, em Ondina, e fez a Bahia perder o Centro de Convenções em Salvador.

28 de fevereiro de 2019, 21:22

Compartilhe: