sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Novo Centro de Convenções vai movimentar R$500 milhões por ano em Salvador

Foto: Igor Santos/Secom

O novo Centro de Convenções de Salvador, localizado na orla da Boca do Rio, vai influenciar na movimentação da cifra de R$ 500 milhões anuais nos mais de 50 setores da economia ligados ao turismo. A GL Events, empresa francesa que irá administrar o equipamento construído pela Prefeitura pelos próximos 25 anos, estima que 100 novos empregos sejam gerados diretamente, mas esse número pode chegar a pelo menos, dois mil temporários a depender do evento.

“Não temos dúvidas de que os resultados na economia da cidade serão os melhores possíveis. Todos estão otimistas, desde os donos de hotéis, bares e restaurantes até o taxista, o comerciante informal. A instalação do Centro de Convenções na cidade traz toda uma atenção ao setor de negócios e movimenta muito além do próprio entorno”, afirmou o titular da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), Claudio Tinoco.

“Além disso, já temos mais de 30 eventos sendo prospectados para o novo Centro de Convenções nos primeiros anos. Em breve, Salvador poderá retomar o patamar que já alcançou no turismo de negócios e eventos, quando chegou a ocupar a terceira posição no país neste segmento”, acrescentou o secretário.

Trade

O trade turístico de Salvador já espera o surgimento de novos negócios e empregos. O presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (Febha), Silvio Pessoa, sonha com os impactos na economia da cidade com os novos eventos e congressos que irão acontecer no Centro de Convenções e equilibrar as contas no período de baixa estação.

Ele lembrou que o setor perdeu R$1,6 bilhão apenas em diárias desde que o antigo centro de convenções, gerido pelo governo do Estado e que sofreu desabamento parcial em 2016, parou de funcionar. A quantia não inclui os prejuízos amargados por outros 50 setores da economia relacionados ao turismo (a estimativa de perda total é de R$2 bilhões). “Portanto, esse novo equipamento é um sonho do trade que se realiza. Felizmente, o prefeito ACM Neto ouviu as nossas reivindicações, porque do Estado nós estávamos órfãos, afirmou Sílvio Pessoa”.

Luciano Lopes, presidente da seccional baiana da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-BA), estima que, com o funcionamento do novo Centro de Convenções, a taxa de ocupação nos hotéis cresça em torno de 10% nos dois primeiros anos de funcionamento e de 21 a 22% nos dois anos seguintes. Segundo a ABIH, 25 hotéis fecharam nos últimos cinco anos, inclusive dois empreendimentos de grande porte, com as perdas da cidade no turismo de negócios e eventos. O Bahia Othon Palace, que tinha 284 apartamentos e contava com cerca de 200 funcionários, foi um deles.

“O novo Centro de Convenções é um equipamento muito importante porque restabelece o turismo de negócios para Salvador, que é um segmento importante e vinha reduzindo a cada ano. Para uma cidade é fundamental, sobretudo para uma cidade de sol e praia como Salvador, que acaba tendo uma sazonalidade muito grande no turismo. Portanto, o segmento de negócios vem justamente para ampliar a taxa de ocupação e melhorar a média e baixa estação”, afirmou Luciano Lopes, informando que a capital conta atualmente com 410 hotéis e 40 mil leitos.

Inauguração

O novo Centro de Convenções Salvador Antonio Carlos Magalhães, nome oficial do equipamento, terá duas datas de inauguração: uma no próximo dia 23, organizada pela GL Events com apoio da Prefeitura, apenas para convidados, e outra logo em seguida, no dia 26, a cargo do Executivo municipal.

A Prefeitura investiu R$130 milhões na construção do equipamento, que possui mais de 34 mil m² de área construída em um terreno de pouco mais de 103 mil m², com capacidade para até 14 mil pessoas simultaneamente em congressos e convenções e até 20 mil pessoas em shows na área externa. Além disso, mais de R$25 milhões serão investidos pela empresa concessionária, entre pagamento de outorga, equipamentos e instalações.

14 de janeiro de 2020, 16:44

Compartilhe: