terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Nomeados por Bolsonaro a órgãos culturais são youtubers, olavistas e defendem teorias conspiratórias

Foto: Reprodução/Youtube - Rafael Nogueira

Redação

Dois novos dirigentes de órgãos culturais, nomeados pelo presidente Jair Bolsonaro, são youtubers e defendem teorias conspiratórias em seus canais.

Rafael Nogueira foi nomeado ontem presidente da Biblioteca Nacional. Autointitulado “aspirante a filósofo”, é admirador de Olavo de Carvalho, ele comenta em seu canal no Youtube sobre supostas fraudes nas urnas eletrônicas, a saída de Bolsonaro do PSL, entre outros assuntos.

Em 2017, o novo presidente da Biblioteca Nacional associou Caetano Veloso, Legião Urbana e Gabriel O Pensador ao analfabetismo. “Livros didáticos estão cheios de músicas de Caetano Veloso, Gabriel O Pensador, Legião Urbana. Depois não sabem por que está todo mundo analfabeto”, escreveu.

Já o presidente da Funarte, Dante Mantovani, que é youtuber e maestro, além de disseminar teorias conspiratórias, costuma tirar dúvidas sobre música erudita.

Reprodução/O Globo

Mantovane foi aluno de Olavo de Carvalho e endossa teorias de que agentes agentes comunistas infiltrados na CIA foram responsáveis por distribuir LSD para jovens em Woodstock. O objetivo final, diz ele, seria destruir a família, vista como “base” do capitalismo.

Ele também já associou rock ao satanismo e diz que o estilo musical “ativa a droga, que ativa o sexo, que ativa a indústria do aborto”. “A indústria do aborto por sua vez alimenta uma coisa muito mais pesada que é o satanismo. O próprio John Lennon disse que fez um pacto com o diabo.”, comentou.

03 de dezembro de 2019, 09:29

Compartilhe: