segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

MP entra com ação de improbidade contra Jaques Wagner por nomeação nos EUA

Em ação civil oferecida pela Procuradoria da República em Brasília, o senador eleito Jaques Wagner (PT) é acusado de improbidade administrativa no caso referente à polêmica nomeação do marido da ex-ministra Ideli Salvatti para um cargo na Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington, capital dos EUA. No dia 5 de agosto de 2015, Wagner, então ministro da Defesa, autorizou a transferência do primeiro tenente Jefferson da Silva Figueiredo, músico do Exército, para a função de ajudante na Junta Interamericana de Defesa da OEA. A informação é da coluna Satélite do Correio* Online, assinada por Jairo Costa Jr.

A função teria jornada semanal de 32 horas, pagamento mensal de U$ 7,4 mil (cerca de R$ 28 mil na cotação atual) e mais ajuda de custo para transferência de R$ 40 mil.

A ação foi protocolada em março, quando a 3ª Vara da Justiça Federal notificou o ex-ministro a apresentar esclarecimentos em 15 dias. Em julho, a juíza Kátia Ferreira mandou novamente notificar o ex-ministro para enviar as informações em quatro endereços (dois em Salvador, um em Brasília e um em Santo André), mas, segundo o processo, ainda não houve apresentação de uma defesa preliminar.

Somente após a defesa inicial, a 3ª Vara vai analisar se recebe a inicial, transformando o ex-ministro em réu, ou se rejeita a ação e arquiva o caso.

Em nota, a assessoria de Jaques Wagner afirmou que vê com “estranhamento” a notícia repercutida neste sábado sobre a ação, que é de março de 2018 e na qual o senador eleito ainda não foi notificado. “Não há nenhum fato novo neste processo e a defesa de Jaques Wagner só se manifestará sobre a denúncia após recebê-la”, afirmou a assessoria.

Conforme a nota, trata-se de “notícia requentada” para “confundir a opinião pública e desgastar a imagem de um político sobre o qual não há nenhuma condenação”.

01 de dezembro de 2018, 19:24

Compartilhe: