quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

MP determina que município de Juazeiro comprove a não contratação de artistas que incentivem violência contra a mulher

Foto: Reprodução/Blog Nossa Voz

Da Redação

A pedido do Ministério Público estadual (MP), a Justiça determinou que o Município de Juazeiro comprove o cumprimento da Lei Municipal 2.717/17, que determina a proibição da contratação de artistas com recursos públicos que executem músicas, danças ou coreografias que incentivem a violência contra mulheres, contenham manifestações de homofobia e discriminação racial durante o Carnaval da cidade.

O Município precisou indicar até ontem (7) os recursos públicos destinados a custear o Carnaval juazeirense, que acontece até este domingo (9). O MP solicitou informações que vão desde contratação de artistas a demais equipamentos necessários a realização do evento e qualquer serviço que direta ou indiretamente está relacionado aos dias de festa, discriminando os gastos e respectivos valores.

A prefeitura precisou indicar também quais artistas foram contratados com recursos privados e quem os contratou e qual órgão ficará responsável por fiscalizar durante todo o evento as músicas, danças e coreografias que afrontem a mencionada lei.

Segundo o promotor de Justiça Sammuel de Oliveira Luna, autor da ação civil pública ajuizada pelo MP, a Promotoria tomou conhecimento que o Município contratou e está investindo recursos públicos para apresentação de diversos artistas no Carnaval 2020, dos quais alguns executam em suas músicas, letras e coreografias com forte incentivo à violência e discriminação contra a mulher.

“A música, como manifestação popular, representa uma parte da cultura e pode evidenciar emoções sentimentos e aspirações. Mas, mesmo sendo uma manifestação cultural e, portanto, fruto de uma liberdade de expressão tão necessária para construção de uma identidade e de um significado para o ser humano, não pode estar à margem das normas de caráter social de bom convívio e respeito a valores secularmente buscados”, afirmou.

08 de fevereiro de 2020, 15:02

Compartilhe: