domingo, 1 de agosto de 2021

Lúcio Vieira Lima diz que Bahia terá três candidaturas fortes a governador em 2022

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Da Redação

Ex-presidente do MDB da Bahia e ex-deputado federal, Lúcio Vieira Lima acredita que a Bahia terá três candidaturas fortes em 2022 para brigar pela sucessão do governador Rui Costa (PT). Além do senador Jaques Wagner, do PT, e do ex-prefeito de Salvador ACM Neto, pelo DEM, Lúcio afirmou não ter dúvidas de que o ministro da Cidadania, João Roma, do Republicanos, será candidato ao governo. Ou seja, ele não acredita que haverá, no estado, uma polarização tão intensa quanto na disputa nacional.

Para Lúcio, Wagner e Roma irão depender eleitoralmente do desempenho dos padrinhos nacionais – o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) – na disputa pela presidência da República, respectivamente. Já ACM Neto, de acordo com a análise do emedebista, terá como ponto forte o recall do avô, o trabalho feito na capital baiana e a marca da renovação.

“ACM Neto está bem na Bahia e representa a renovação. Tem a imagem do avô conhecida em toda a Bahia e fez um excelente trabalho na prefeitura. Está credenciado. Mas Lula será um eleitor importante, e Roma está aparecendo bem em pesquisa por causa do apoio de Bolsonaro. Serão três candidatos fortes em uma eleição que com certeza vai para o segundo turno”, avaliou Lúcio, em conversa hoje (12) com a rádio 93 FM de Jequié.

Ele disse que ACM Neto não deveria tentar colar a imagem com a de Ciro Gomes, presidenciável do PDT que esteve na Bahia na semana passada. “Não acredito em uma terceira via nessa eleição ainda polarizada. Ciro será uma terceira via, mas não com força suficiente para chegar. Acho que Neto tem que mostrar o seu trabalho e a sua disposição”.

Bruno não fez como João Henrique

Para Lúcio Vieira Lima, o apoio do prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), também pode ser importante para as pretensões de ACM Neto. “Bruno tem muito a contribuir com ACM Neto. Só de Bruno não ter se comportado com incorreção, como João Henrique (ex-prefeito da capital baiana) fez com o MDB, abandonando o MDB, já é um grande handicap para contribuir com Neto com prestígio político e votação. Mas se vai mesmo transferir votos, só as urnas irão dizer”.

PP vai ficar com o PT

O irmão de Geddel Vieira Lima avaliou ainda a situação política do vice-governador João Leão (PP), que gostaria de disputar o Palácio de Ondina com o apoio do PT. Segundo Lúcio, há uma incógnita nacional no PP: o partido vai determinar que os diretórios estaduais sigam a orientação nacional de apoiar Bolsonaro, e os candidatos do presidente nos estados, ou vai liberar para coligações regionais, mesmo com o PT?

Lúcio apostou que o PP baiano, como já aconteceu em eleições anteriores, terá autonomia, mas não coragem de lançar Leão candidato. “Tenho certeza que será feita a união com o PT tendo Wagner como cabeça de chapa. Ninguém é candidato do dia para a noite, dizendo por aí que é candidato”.

12 de junho de 2021, 16:16

Compartilhe: