quinta-feira, 4 de junho de 2020

Em novo depoimento, delegado contradiz Ramagem e Bolsonaro sobre troca de comando na PF do Rio

Foto: Divulgação

Da Redação

O atual diretor-executivo da Polícia Federal, Carlos Henrique Oliveira, prestou um novo depoimento ontem (19), no qual apontou uma contradição nas versões apresentadas por Alexandre Ramagem e Jair Bolsonaro sobre a troca de comando na superintendência da corporação no Rio de Janeiro.

Oliveira era superintendente da PF no Rio até a nomeação do novo diretor-geral, Rolando Alexandre de Souza, que substituiu Maurício Valeixo, depois de o ministro do STF, Alexandre de Moraes, impedir que Ramagem, diretor da Abin e amigo da família Bolsonaro, assumisse o cargo. Após a troca de comando, Oliveira foi chamado para assumir a diretoria-executiva da PF.

No entanto, diferente do que disseram Ramagem e Bolsonaro, Carlos Henrique Oliveira afirmou que já havia sido sondado para assumir a Diretoria-Executiva da PF. Segundo ele, a sondagem veio do próprio Ramagem estava prestes a assumir a diretoria-geral. No depoimento da semana passada, essa sondagem não havia sido citada por Oliveira.

Ele revelou ainda que, entre outubro e novembro de 2019, foi levado por Alexandre Ramagem a um encontro em Brasília com o presidente Jair Bolsonaro. Oliveira disse que não havia nenhum motivo específico para o encontro e que também não tinha conhecimento de convite similar feito a outras superintendentes da PF.

Valeixo e Moro não participaram do encontro porque estariam em evento no Paraná, mas os dois estavam cientes. Oliveira afirmou que o encontro não tinha uma pauta definida.

Na versão de Ramagem e Bolsonaro, a indicação de Oliveira seria de Rolando de Souza, que ofereceu ao então superintendente do Rio uma promoção. Carlos Henrique Oliveira ocupava a superintendência fluminense por indicação de Valeixo.

A superintendência da Polícia Federal no Rio é o epicentro da investigação sobre a tentativa de interferência Bolsonaro na corporação, o que motivou o pedido de demissão de Sergio Moro do Ministério da Justiça em abril.

20 de maio de 2020, 08:27

Compartilhe: