quinta-feira, 18 de abril de 2019

DEM aponta que derrota de Caetano e queda de Luiza Maia simbolizam enfraquecimento do PT de Camaçari

O DEM emitiu uma nota sobre a recente derrota do ex-deputado Luiz Caetano, que perdeu os direitos políticos por 13 anos, e a queda de Luiza Maia, que saiu da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Para a legenda, isso aponta para o enfraquecimento do PT de Camaçari, já que Caetano e Maia eram considerados os principais nomes do partido no município.

Condenado em segunda instância por improbidade administrativa, Caetano teve o registro de candidatura barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e, com isso, não voltou ao Congresso. Ele chegou a recorrer ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que não atendeu ao pedido do ex-prefeito de Camaçari para tomar posse na Câmara.

Luiza Maia, por sua vez, perdeu o cargo de secretária estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE), posto que será ocupado agora pelo vice-governador João Leão (PP). A saída de Luiza da SDE evidencia o descrédito do grupo político de Caetano dentro do próprio grupo do governador Rui Costa (PT).

Caetano até foi cogitado a assumir um cargo no governo, mas a Constituição da Bahia proíbe a nomeação de casos como o do petista, condenado em segunda instância e com contas rejeitadas. Já existe, inclusive, jurisprudência do caso. Em 2015, a Justiça estadual suspendeu a nomeação do atual prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Oziel Oliveira (PDT), como diretor-geral da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab).

O DEM destaca ainda que o próprio resultado das eleições corrobora o enfraquecimento de Luiza Maia e Luiz Caetano . Entre os candidatos a deputado estadual, o vice-prefeito de Camaçari José Tude (DEM) foi o mais votado.

Já Raimundinho da JR (PDT), que fez dobradinha com Caetano, foi apenas o sexto mais votado na cidade, com pouco mais de 4 mil votos. Segundo o DEM, o apoio de Caetano a Raimundinho, inclusive, provocou uma rixa interna entre petistas no município, que condenaram a dobradinha.

O ex-deputado Bira Coroa (PT), também integrante do grupo de Caetano, não conseguiu a reeleição e ficou apenas na terceira suplência da coligação dos aliados do governador. Outro petista, o vereador Jackson, também se candidatou a deputado estadual e foi derrotado.

06 de fevereiro de 2019, 10:57

Compartilhe: