quinta-feira, 4 de junho de 2020

Bolsonaro atribui problemas no auxílio emergencial a “golpe” e “erros” de trabalhadores

Foto: Marcos Corrêa/PR

Da Redação

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (13) que não há falha do governo em relação à operação para pagar o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores sem carteira assinada. Em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente afirmou que “muita gente deu golpe” e que “não existe falha nossa”, mas sim “erro do próprio interessado”. A informação é do site Uol.

Desde o lançamento do site e do aplicativo para solicitar o auxílio emergencial, no começo de abril, muitos trabalhadores têm reclamado de falhas técnicas no acesso, negativas injustificadas, erros na avaliação dos critérios, além de filas nas agências da Caixa para tirar dúvidas ou sacar o dinheiro. Também houve mudança de calendário e atraso no pagamento da segunda parcela, ainda sem data definida.

Segundo Bolsonaro, não existe uma falha geral que esteja prejudicando os beneficiários. A fila de análise, segundo ele, é prevista pelo próprio programa. “Tem erro também? Erro do próprio interessado. Não existe falha nossa. Entrou [no sistema], é um programa de inteligência artificial. Daí vai para o canto, é manualmente. O pessoal da Caixa está trabalhando de segunda a sábado porque é caso a caso”, afirmou Bolsonaro.

Questionado sobre a demora do governo para dar uma resposta a esses pedidos, Bolsonaro afirmou que muitas pessoas tentaram dar “golpe” para receber o auxílio sem ter direito. “Tem sete milhões [de pedidos] em análise. Muita gente que deu golpe, tem gente que usou protocolo do filho duas vezes, dois irmãos, tem um monte de coisa. É caso a caso. Mas ninguém fala dos 40 milhões que receberam. Vamos falar dos 40 milhões. O restante está na malha fina, eu lamento”.

Segundo o presidente da Caixa, na verdade, há 17 milhões de pedidos em análise.

13 de maio de 2020, 14:08

Compartilhe: