terça-feira, 16 de julho de 2019

A Lavagem e as manifestações da fé político-partidária

Foto: Fotos - Paula Fróes/Govba/Davi Lemos/Toda Bahia/Max Haack/Secom

Davi Lemos

O Cortejo da Lavagem do Bonfim, além das tradicionais manifestações de fé, tem as igualmente tradicionais manifestações de força política. Como há quatro anos, o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) e o governador Rui Costa (PT) medem forças, pondo os seus times em procissão até o Bonfim. E esse ano, houve um diferencial: o suposto namoro de Rui por nomes próximos ao prefeito ou revelados por ele. Assim, embora haja expectativa sobre as composições dos secretariados, a Lavagem também trouxe uma pergunta: quem será o candidato de Neto em 2020?

Apesar de o vice-prefeito Bruno Reis ser o preferido do líder do Democratas, correm por fora Léo Prates (DEM), que almeja mais espaço na administração municipal, e Geraldo Jr (SD), novo presidente da Câmara Municipal, que afirmou hoje, na concentração na Conceição da Praia, que Reis precisará conquistar Salvador e a própria Câmara para viabilizar-se como sucessor de ACM Neto. O prefeito chegou a cutucar o governador, em coletiva antes de iniciar o percurso até o Bonfim; Neto disse que fica feliz ao ver nomes ligados ao seu “time” serem cortejados pelo governador Rui Costa.

O governador encontrou-se com Guilherme Bellintani, ex-secretário de Neto e atual presidente do Bahia, e com Geraldo Jr. O presidente da Câmara saiu próximo a Neto na Lavagem; o presidente do Tricolor de Aço, foi sozinho ao Bonfim. Vereadores ouvidos por Toda Bahia, entendem que essas movimentações dos caciques podem mudar a posição das peças no tabuleiro de 2020. Geraldinho, na verdade, vem se encontrando com todos os mais importantes líderes da política baiana: recebeu visita de cortesia de Rui, mas ontem foi visitar o presidente do TJ-BA, Gesivaldo Britto.

O vereador Daniel Rios (MDB) disse que Bruno Reis, seu ex-colega de partido, é o nome até o momento mais evidenciado, mas aponta que Geraldo Jr pode chegar com força também. “O prefeito saberá escolher o melhor”, disse o vereador. Na oposição, o novo líder da oposição ainda procura arrumar a casa: Sidninho (Podemos), em um sinal de trégua, aposta que Zé Trindade, do partido dele e que liderou uma revolta que resultou em novo bloco oposicionista, é um bom nome para 2020, mas para disputar a presidência da Câmara.

PSL em Brasília e em Alagoinhas

Também esteve na Lavagem o deputado federal Orlando Silva (PCdoB/SP), que anunciou apoio à reeleição de Rodrigo Maia (DEM/RJ) à presidência da Câmara dos Deputados. “Também o apoiamos na eleição passada”, disse o comunista, tentando afastar o argumento de que o partido seria incoerente. Ele diz que o democrata é peça-chave para garantir a democracia na Câmara, o que ele entende não ser projeto do PSL do presidente Jair Bolsonaro. “Quem tem que se explicar é o PSL (sobre apoio a Maia). Os filhos de Bolsonaro foi que disseram que não votariam em Maia de jeito nenhum”.

O PSL já ingressou na Prefeitura de Salvador e parece que agora deve também fazer parte da gestão em Alagoinhas. Joaquim Neto, segundo informou um auxiliar próximo do prefeito de Alagoinhas que esteve na Lavagem, havia rompido com o deputado Paulo Azi (DEM) após as eleições, mas deve conseguir um novo canal para ter boas relações com Brasília: na terça-feira, Joaquim Neto deve se reunir com a presidente estadual do PSL, a deputada federal eleita Dayane Pimentel, principal representante de Bolsonaro no estado. O prefeito de Alagoinhas quer manter aberto o canal com Brasília para garantir os investimentos nas principais obras da cidade.

17 de janeiro de 2019, 12:41

Compartilhe: